quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Grandes Mistérios – Nigel Blundell



Mistérios, civilizações perdidas, ovnis, fantasmas e demais enigmas, foram um tema que me fascinou desde criança e o principal razão pela descoberta do mundo da literatura.

Li dezenas de livros sobre os mais diversos assuntos que povoam, desde sempre, o imaginário do Ser Humano.

De obras de vertente Histórica a obras verdadeiramente hilariantes tal as teorias apresentadas, fui eu próprio desenvolvendo as minhas teorias que me ajudaram, não só a entender alguns desses mistérios (alguns que de mistério pouco têm), como também a desligar-me dessas pesquisas que levava a cabo de uma forma sôfrega, tal a necessidade que sentia em saber mais, em ver as minhas questões respondidas. 

O livro que agora li, trata-se pois de uma dessas obras que tiveram o seu tempo e que foi publicada precisamente numa altura em que tantas outras sobre esses temas foram, ou seja, uma altura em que de facto havia uma legião de leitores que comprava, lia, analisava e pesquisava sobre esses temas.

Este autor, ao contrário de outros, que iam apenas pelo caminho das teorias fantásticas (ex:  Erich Von Däniken ou sérgio Russo), sempre foi mais coerente e sério nas abordagens que fazia. Jornalista, soube pesquisar (numa altura em que não havia internet) sobre variadíssimos temas e publicou diversos livros sempre sobre temáticas históricas.

“Grandes Mistérios” é uma dessas obras e aqui, de uma forma algo curta, são referidos vários casos que, muitos deles, ainda hoje estão sem explicação. Eva Péron, Jack “O estripador” (um clássico), navios fantasmas, desaparecimentos de pessoas famosas, fantasmas, ovnis, combustão espontânea, entre outos casos.

Obviamente que é um assunto que tem um publico especifico e que, trinta anos depois da sua publicação, perdeu alguma actualidade dado o facto de alguns desses mistérios terem na actualidade explicações comprovadas. Em todo o caso esses casos são minoria, e o certo é que há aqui casos narrados que continuam no mundo do mistérios sem que qualquer explicação racional se possa a eles empregar.

1 comentário:

André Nuno disse...

Iceman,
achei a tua opinião bastante completa e interessante (como sempre!). Concordo contigo quanto à especificidade da temática deste livro e, neste momento, já não é a minha praia.
:)
Abraço e boas leituras.