sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

O Pior Livro - Querido Ollie, de Stephen Foster

Convidei agora a Carla Ribeiro do blog "As Leituras do Corvo". Blog que efectivamente acompanho e que tem sido o responsável pela minha leitura de algumas obras. De notar que a Carla é também autora de várias obras, as quais saliento "Senhores da Noite", que já li, e várias colectâneas de poesia e romances do género fantástico.

E o pior livro da Carla foi:

O Pior Livro


"Gosto de animais. Isto não é uma surpresa para quem me conhece. E esse é um dos motivos, para além de se tratar de um tema que, tendo em conta a minha formação, me interessa, que me levam a gostar de ler histórias sobre animais. É certo que há semelhanças entre muitos desses livros sobre casos reais da interacção entre os autores e os seus respectivos companheiros de quatro patas, o que leva a que as suas histórias se possam tornar um pouco repetitivas, principalmente para quem já leu umas quantas. Mas o facto é que há, realmente, muitas histórias enternecedoras e, quando bem contadas, podem proporcionar uma leitura comovente.

Não é o caso do livro que eu escolhi. "Querido Ollie" apresenta a história de uma relação entre um homem e um cão abandonado, que tem os seus problemas e que, por isso, cria algumas dificuldades. A história tem bastante de comum com muitas outras, mas a escrita até consegue ser agradável, no geral, e o protagonista canino tem muito de cativante nos seus momentos mais ternurentos.

Qual é o problema, então? O dono! E isto aplica-se à maneira como se expressa no livro, mas também a alguns dos actos que descreve. O afecto que deveria existir é o que menos transparece de toda a história. O comportamento do dono para com o cão oscila entre o agressivo e o negligente e atinge um ponto realmente perturbador no momento em que a forma de resolver as naturais dificuldades que o cão representa é através de uma tentativa de abandono. E esta imagem negativa não passa apenas pela interacção do dono com o cão. A mesma agressividade se reflecte na forma como o autor se refere a algumas das pessoas com quem interage, com comentários preconceituosos relativamente aos donos dos outros cães e um tom de arrogância que passa a pior das ideias a seu respeito.

O problema, portanto, não é que o livro esteja mal escrito. Nem sequer está completamente isento de momentos interessantes, até porque Ollie é, apesar de todas as dificuldades de percurso, um cão encantador. Mas é difícil apreciar a leitura de uma história em que grande parte dos comportamentos e atitudes narradas variam entre o irritante e o revoltante. E é isso que me leva a considerar este livro como um dos piores que já li."


3 comentários:

Cristina Torrão disse...

Uma análise interessante de um livro que, à primeira vista, parece realmente ser outra coisa.

Vc disse...

Olá :) Tens um selo à espera no Refém das Letras. Passa por lá: http://refemdasletras.blogspot.pt/2013/02/selo-2013-literario.html

Esmiuçar Página a Página disse...

Olá, gostei do teu blog, estou a seguir.
Visita também o meu :)
http://esmiucar-pag-a-pag.blogspot.pt