sexta-feira, 19 de abril de 2013

Hoje recebo um mail da

editora Saída de Emergência, editora com o qual colaboro já há alguns anos, a informar que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) decidiu cancelar a parceria que tinha com a editora para comemorar o Dia Mundial do Livro, supostamente e de acordo com a CGD, por alguns livros conterem linguagem potencial de ferir a suceptibilidade de alguns clientes, não os considerando, assim, adequados ao posicionamento e imagem do banco.

Ora bem, tal postura, embora sendo cínica e ignóbil, não é de estranhar de um organismo público e que, de acordo com a ideologia do partido que compoe o governo, foi responsável pelo veto, em 1992, do romance "Evangelho Segundo Jesus Cristo" de José Saramago ao Prémio Literário Europeu.

Ou seja, a doutrina é a mesma e o puritanismo neo-palerma o mesmíssimo.

Lamento é que não sejam tão puritanos quando mentem aos portugueses e que a CGD não o tivesse sido tanto quando recebeu 3 mil milhões dos contribuintes para tapar buracos que, supostamente, não deviam existir.

Ah, mas deve ter sido para pagar os prospectos de publicidade que abundam nos seus balcões, porque livros? Qual quê, têm linguagem susceptível de escandalizar os seus falidos clientes.

Que país este!

6 comentários:

Alice disse...

Mas a CENSURA não era só no tempo da outra senhora?

Iceman disse...

É o que dizem.
Mas não são os tipos do PSD/CDS que retiraram os cravos, como símbolo, nas comemorações do 25 Abril e não queriam retirar o "r" a palavra REVOLUÇÃO?

Manuel Cardoso disse...

Triste país o nosso. Até na Cultura, os analfabetos da banca querem mandar!

Clarinda disse...

!!!!!!!!!!!!!!!!!!???????????????
Como vai o nosso Portugal! Que tristeza!

André Nuno disse...

Iceman,
brincando um pouco com a situação devo dizer que este cancelamento seria previsível.
Entrar numa dependência bancária, trazer algo de bom e sem pagar? NUM BANCO?! Isto seria habituar mal os clientes... :D

Iceman disse...

André,
gostei dessa.
Assim já faz todo o sentido.
:)