sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Vendidos menos 470 mil livros que em 2012

Segundo notícia que li hoje, este ano há uma quebra de 5% nas vendas de livros que não se reflete na receita (quebra de 1%), sinal que os preços dos livros, em vez de baixarem, subiram.

Pois é, e depois é ver os principais intervenientes, autores e editoras, assobiarem para o ar como se a crise fosse ilusão e ainda se dão ao luxo de editar uma obra em dois ou três volumes.

Pessoalmente, este ano, apenas comprei dois (2) livros nas livrarias e mesmo assim aproveitando descontos.

Benditos sites de anúncios classificados...

2 comentários:

Cristina Torrão disse...

Apesar de achar bom que as editoras se vão aguentando, sou contra os livros caros. Na Alemanha, os livros são muito mais baratos, a maioria é publicada também em edição de bolso (uma edição muito cuidada, de qualidade superior à portuguesa) e os livros custam, assim, entre 8 a 12 euros, conforme o tamanho. Recorde-se que as pessoas aqui ganham muito mais do que em Portugal!

Iceman disse...

Olá Cristina.
Não é só na Alemanha que os livros são mais baratos do que em Portugal, isso acontece em vários outros países europeus.
Eu entendo que o mercado português é pequeno para o formato bolso e blá, blá, blá, mas incomoda-me a forma como algumas editoras se aproveitam de alguns "nomes", como foi o caso, só como exemplo, da última obra de Rodrigues dos Santos.
Não me conformo.