terça-feira, 29 de março de 2016

Meu ano mágico (O) – Nina Sankovitch



No final de cada ano, quando é costume postarmos os melhores e piores leituras desse ano, há bloggers que afirmam ler uma média de 1 livro por dia, ou seja, há quem afirme que leu 365 livros ou até mais. Honestamente sempre achei isso muito difícil, para não dizer impossível, a menos que a pessoa faça da leitura profissão e dedique a ela, 7, 8 ou 9 horas por dia, aí sim, é possível ler um livro por dia com umas 350 páginas ou mais. Em todo o caso, pessoalmente, faço da leitura momentos de prazer e de vazão do meu dia-a-dia, podendo ler mais ou menos por dia ou, simplesmente, nem sequer ler, pois é algo que adoro mas não o faço enquanto obrigação/dever, nem para mim e muito menos para ninguém. 

Há uns anos, muito anos antes do surgimento dos blogues (sensivelmente em 1995), aprendi que gostava de falar com outras pessoas do que havia lido e do que elas liam e, mesmo nos primórdios da internet, achei um site onde uma comunidade colocava opiniões sobre diversos produtos, inclusivamente livros, comunidade essa que, como tudo na vida, acabou por definhar e morrer tempos depois. Depois surgiram os blogues, mas e a meu ver não é a mesma coisa, pois torna-se algo “muito” nosso e com pouca interacção com outros leitores, mas enfim, acaba também por ser uma catarse de cada um, um pequeno mundo onde se conhecem algumas pessoas e suas preferências literárias.

E é como um escape a forma como olho para os blogues. Uma forma de narrar para o universo aquilo que pensamos sobre determinadas situações. Mesmo que ninguém nos leia, que importa isso? O que importa é o acto de escape que o blogue permite.

Nina Sankovitch tem um choque traumático na sua vida e como qualquer mortal, tenta combater esse choque alienando-se um pouco da realidade, entregando-se tão febrilmente à família, casa, trabalho, que não tem tempo, e é isso que ela pretende, de combater a dor do falecimento da sua irmã mais velha. No entanto três anos depois sente que a dor é mais profunda, que em nada amainou e chega à conclusão que necessita de um escape, algo que a faça reencontrar com a vida.

E, simplesmente, decide ler um livro por dia e escrever sobre ele (sim, há um blogue da própria com todas as recensões). Para quê?

Diz ela: “Quando decidi ler um livro por dia e escrever sobre ele, parara finalmente de fugir. Sentei-me, imóvel e comecei. Todos os dias lia e devorava e reflectia sobre todos os livros…”, “… mergulhava no mundo que os autores tinham criado e testemunhava novas formas de enfrentar as reviravoltas da vida…”, “… através da minha leitura, atingi o ponto de compreender isso.

Na minha opinião, ela diz tudo o que este livro simboliza.

Ela começa por explicar como é o seu projecto. Ou seja, continua a ter tempo para a família, amigos, casa, mas decide dar um ano a ela própria e faz da leitura a sua profissão, dedicando largas horas por dia à mesma. Desta forma consegue ler um livro por dia onde a premissa é apenas não ler livros que já tivesse lido e não repetir autores. Dessa forma vai avançando, livro a livro, enquanto nos dá várias reflexões do mesmo. No entanto não se julgue que se trata de um livro que fala de outros livros. Nada disso, é a catarse de Nina que nos é dado a ler e vamos observando como ela vai vencendo, através da leitura, o trauma e a dor da perda de alguém muito querido. Por outro lado ela aborda em várias ocasiões o passado traumático da sua família e a forma como o mesmo serviu de alicerce para a pessoa que é e para a educação que dá aos filhos.

Em suma, um livro que gostei muito de ler e que me fez reflectir sobre muitos factores da nossa vida, chegando a conclusão que de facto pode ser na leitura que exista explicação para muitas das questões que colocamos a nós próprios e que a mesma pode ser um veiculo de prazer, sabedoria, paz e amizade.

Nota final para algo que sinceramente acho que podia ter tido um trabalho melhor por parte do tradutor. No fim do livro Nina coloca o nome e autor de todos os livros que leu, no entanto tirando três ou quatro livros, todos eles vêm no seu nome original. Nada que transcenda a nossa inteligência, pois pelo autor depressa descobrimos que livro se trata, mas penso que teria sido um trabalho de excelência por parte do tradutor se essa lista estivesse traduzida para português e já nem refiro na importância de colocaram a editora, mas isso até compreendo a publicidade.



1 comentário:

Isaura Pereira disse...

Olá!
Li este livro há algum tempo, mesmo no inicio do meu blog. E gostei muito.
Gostei da ideia de nos organizarmos a conseguirmos ler um livro por dia.
Mas não consegui... :)
Beijinhos e boas leituras