sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Vaticanum – José Rodrigues dos Santos



Conforme é do conhecimento de muitos, sou um apreciador dos livros de Rodrigues dos Santos. Não pela qualidade literária, porque isso de facto tem muito pouca, mas porque os livros dele preenchem um dos principais requisitos que a meu ver tem de estar contido num livro: entretém. Para além do entretenimento, os livros dele são um manancial de informação que, obviamente, podem agradar mais a uns do que a outros pela temática, mas é facto é que os livros dele possuem sempre muita informação.


Em todo o caso e pese embora já os tenha lido todos, há livros que gostei muito e outros que nem por isso. Confesso que, por exemplo, os últimos livros dele não me têm agarrado por aí além, mas recordo sempre com saudades livros como “A Filha do Capitão”, “Codex 632“ ou “A Fórmula de Deus”, livros, quanto a mim, muito bem conseguidos e que despertaram a minha curiosidade sobre os temas abordados.


Este último volta a colocar em cena o historiador/detective/criptanalista Tomás Noronha que se encontra nas catacumbas do Vaticano a analisar o suposto túmulo de Pedro, o Apóstolo de Jesus Cristo que, segundo a História, deu origem à Igreja Católica, sendo considerado o Primeiro Papa.


O enredo passa-se todo num simples dia, uma aventura vertiginosa que se inicia quando o Papa é raptado por alegados membros do Estado Islâmico e que, segundo estes, será decapitado em directo à meia-noite se os países católicos não se converterem ao Islão ou não pagarem um suposto valor que está referido no alcorão.


Obviamente que depressa Tomás Noronha se vê envolto nos acontecimentos e é vertiginosa toda a acção.


Pese embora o objectivo central do livro seja a corrupção no seio do Vaticano, o livro quanto a mim peca em vários factos que acabam por lhe dar pouca credibilidade, isso na junção entre o enredo ficcional e o verídico. Penso que um dia apenas é muito pouco para 600 páginas de alucinantes correrias. Os diálogos sobre a corrupção são colocados um pouco à força. Poucas horas antes do prazo terminar, Tomás está em amena cavaqueira de dezenas de páginas sobre os meandros mafiosos que abalam o Vaticano. 


Depois no final tudo se desenrola em poucos minutos e, obviamente, o final é o esperado com as habituais “mariquices” que o autor, a meu ver, desnecessariamente, continua a insistir em colocar nas suas histórias.


Em todo o caso e embora tenha gostado do livro, o mesmo não me criou um grande pasmo, pois já li várias obras sobre corrupção no Vaticano, algumas das quais vêm referidas na Nota Final, ou seja e ao contrário de outras obras, Rodrigues dos Santos não nos conta nada de novo, limita-se a limar certos factos amplamente conhecidos e a aproveitar o que muitos já escreveram sobre o tema.


Sinceramente esperava um pouco mais, pese embora, repito, seja um bom livro da Série “Tomás Noronha” que, e isso é algo que quero realçar, se mostra um pouco mais “adulto” em relação a outras aventuras suas.  


3 comentários:

Pedro Alexandre disse...

O JRS já não escreveu o suficiente sobre a Igreja Católica? Não sei bem, reconheço que deixei de o seguir há uns anos, mas quando vi este "Vaticanum" pensei que já tinha abordado o tema suficientes vezes...
Mas também não são "A Chave de Salomão" e "A Fórmula de Deus" sobre o mesmo tema?

Tenho alguma pena de ter deixado de ler JRS. Em grande parte, há muito tempo que deixei de gastar dinheiro com livros (por falta dele, não por falta de interesse), e JRS deixou de ser a minha primeira aposta. A personagem Tomás Noronha nunca me cativou particularmente.
Mas tenho saudades da escrita fácil, de um livro que não exija muito do leitor e que continue a entreter bastante. Gostava de voltar a JRS, mas não será com Vaticanum. Talvez A Mão do Diabo, ou os livros que não têm nada a ver com Tomás Noronha, o que achas?

Miguel Chaica disse...

A Mão do Diabo a temática é um livro que aborda a crise e os seus meandros. É interessante mas não é um livro que tenha gostado por aí além.

Confesso que prefiro o género Romance Histórico. O personagem Tomás Noronha, embora neste livro esteja mais adulto, sempre me pareceu um pouco amaricado e lamechas. Eu entendo o porquê do autor querer construir essa imagem, mas pessoalmente, penso que lhe retira credibilidade, pois o homem é um supra sumo do saber em todas as matérias.

Logo, aconselho a trilogia que ele tem estado a lançar. "Flor de Lótus" e "Pavilhão purpura". Falta o último volume, mas tenho gostado da obra e do trabalho de informação nele contido.

Da série Tomás Noronha, gostei particularmente do "Codex 632" , "Formula de Deus" e "O Último Segredo".

Agora sobre a questão inicial. Penso que ele nunca abordou a questão deste prisma. Nota, "A formula de Deus" parte do principio inicial de Einstein que prova, cientificamente, a existência da particula de Deus. "O Último Segredo" é sobre a vida de Jesus e quem foi ele na verdade e o que a igreja esconde sobre o mesmo. "A Chave de Salomão" é sobre a reencarnação. Logo, não me parece que existam grandes pontos em comun.

Swonkie disse...

Enviamos um convite para o teu email :)