sábado, 6 de outubro de 2007

Pilares da Terra (Os) - Ken Follett

Apaixonado por romances históricos, ando constantemente à procura de livros do género, lendo opiniões e recensões, efectuando análises e buscas em variadíssimos sites, sempre esperançado na descoberta de um novo título, num novo autor.
Existindo actualmente muitos e bons livros, considero apaixonante os romances históricos porque permitem ao leitor uma digressão e uma percepção da época abordada, do seu modo de vida, forma de pensamento, de estar e de agir.
Assim e ao longo de muitos anos que levo como leitor compulsivo (HÁ QUE O DIZER ABERTAMENTE), tive o imenso prazer de ler romances históricos memoráveis, verdadeiras pérolas da literatura universal, que muito me ensinaram sobre os povos, sua cultura, usos e costumes da época em questão. Senti-me sempre como um deles, fiz amizades com reis, imperadores, bispos, papas, gente do povo, ricos homens, homens primitivos, soldados, generais, etc, etc. Sofri e pensei com e como eles, interagindo no seu mundo que foi também o meu mundo.
Há tempos, aconselharam-me uma obra que, segundo esse pessoa, teria sido um dos melhores livros que já tinha lido. Pois bem, aceitei essa sugestão e comecei à procura do livro... debalde, o livro está esgotado em toda a parte e até a editora, aparentemente, faliu, logo só consegui achar este livro na biblioteca cá da zona e voilá.
O livro é vasto!
Com 916 páginas, cerca de 3 kg. de peso, este é uma obra que podemos considerar, literalmente, de peso. Acima de tudo, de peso na literatura universal.
Escrito por Ken Follett, escritor galês, conhecido e apreciado pelos seus sucessos na literatura policial e de espionagem, "Os Pilares da Terra" começou a ser a ser concebido na década de 70 quando Follett visitou uma catedral medieval na cidade de Peterborough. Esta visita fez nascer nele uma verdadeira obsessão por aquelas elegantes construções, iniciando então uma pesquisa sobre catedrais e sobre a época medieval da Inglaterra do séc. XII.
Então em 1989 Follett publica "Os Pilares da Terra" e acreditem que ao fazê-lo, deu ao mundo uma obra colossal que se não fosse alguns pequenos erros históricos, tinha tudo para ser a melhor obra que já li até à data.
A HISTÓRIA:
Inglaterra, 1123, um homem é enforcado numa praça cheia de gente que se acotovela para ver a face da morte. Quando ela está expressa na face daquele homem, uma jovem mulher, grávida, profere uma maldição fugindo logo de seguida. Os presentes ficam atemorizados, essa maldição irá percutir-se no futuro e inicia-se desta forma uma história que tem como protagonistas principais uma catedral e a época.
Assente em várias histórias paralelas, todas elas com um fio condutor que as une, Ken Follett consegue reconstituir magistralmente aquela época, construindo um painel de personagens que abrande todos os géneros: O clero, onde o prior Philip e o malévolo Valeron Bigot são a sua face para o bem e para o mal; O Povo, por Tom Builder, Alfredo e Jack; A aristocracia, com Aliena, Richard, William Hamleigh, o sanguinário cavaleiro que se vê conde; O rei que surge a espaços; Os proscritos, gente sem casa, sem nada, representada por Ellen. Ou seja, Follett teve o cuidado de reconstruir toda a sociedade da época o que, na minha opinião, é uma das principais razões da beleza deste livro.
Todos estes personagens gravitam em torno da construção da catedral de Kingsbridge cujo priorado, dirigido por Philip é o responsável. E é devido a essa construção que nos surge um painel de tempos conturbados, varridos por uma guerra civil recheada de conspirações, jogos labirínticos pelo poder e muita violência, aliás, Follett não omite a enorme violência daquela altura, existem muitos acontecimentos ao longo do livro onde ele não tem pejo em descrever a violência exercida. As mortes são atrozes, os assassinatos são cometidos de uma forma quase normal, a matança de crianças é mencionada e descrita, as violações são cometidas à vista de todos e recordo-me de quando um nobre viola uma prostitua com toda a gente a assistir e sem que ninguém tenha feito nada, aliás ele viola-a, obriga um amigo a fazer outra coisa e ainda batem na prostituta. O assassinato de Thomas Becket, para além de ser fria e violenta, tem contornos sádicos, pois depois de lhe abrirem a cabeça com uma espada cujo golpe é tão violenta que a espada se quebra, há um cavaleiro que mete a ponta da sua espada na cabeça aberta do bispo e lhe tira os miolos espalhando-os pelo chão...
Mas pessoalmente gosto assim, quanto mais fiel melhor e todos sabemos que essa época foi violenta, então o melhor é saber-se como as coisas efectivamente se passavam.
Mas a história inicia-se , 1123 e finda em 1174. Cerca de 50 anos de acontecimentos da História da Inglaterra. A guerra civil travada pelo trono de Inglaterra; a movimentações políticas e religiosas entre o clero e a nobreza que tem como ponto culminante e de viragem aquando do assassinato de Thomas Becket a mando do rei Henrique II; os episódios com os proscritos envolvendo assaltos e fazendo lembrar o Robin Hood, enfim, um painel riquíssimo.
De salientar a descrição do modo de vida das pessoas, as suas imensas superstições. Follett não deixa escapar o constante confronto entre os Homens e Deus, onde os Homens eram simplesmente manipulados pelos padres que, sabendo do temor dos Homens a Deus, não se coíbem de os mandar fazer tudo o que eles querem para depois os perdoarem através da confissão.
Gostei também da forma exímia como ele descreve o modo de vida das cidades, vilas e aldeias, da forma de organização e do que era necessário para se fazerem feiras e da sua importância para aquela sociedade. A vida nos castelos e nas abadias, até a vida que alguns levavam na floresta nos é apresentada.
Descrito é também a arquitectura das catedrais e a forma como se constróem. A forma de calcular as suas medidas, do estilo romântico ao surgimento do estilo gótico vindo do Oriente.
Dos personagens e como em todos os livros, existem aqueles com quem simpatizamos e outros que odiamos. Aqui há aqueles que são tão asquerosos que aplaudimos a fim que têm, os outros, aqueles de quem gostamos, deixam-nos uma terrível saudade.
No entanto este não é um romance histórico perfeito e simplesmente porque Follett comete alguns erros de análise histórica que, depois de 15 anos de estudo, tinha a obrigação de não cometer.
1º: Naquela época era impossível a forma como Follett descreve a sucessão ou a queda de um nobre. Penso que ele se deu conta desse erro e tenta desculpar-se com a guerra civil onde o rei fecharia os olhos aos acontecimentos absurdos dessas "quedas".
Depois ele refere também alguns produtos alimentares, como por exemplo o milho, cereal ainda desconhecido na Europa nessa altura. Fala também da Espanha, no entanto a Espanha naquela altura era constituída por uma série de reinos independentes uns dos outros não tendo eu a certeza se já era denominada por Espanha, mas tenho dúvidas. E outros mais pormenores que acabam por abalar um bocadinho a obra.
No entanto não é por causa desse pormenores que o livro perde beleza. É uma narrativa muito didáctica e construtiva, tem aqui e ali algumas falhas históricas mas globalmente está assente em fortes pilares históricos.
Escrito numa linguagem fluida, este é daqueles que se devora de uma forma compulsiva, pois e embora a história seja intrincada e extensa, não sendo por isso possível aqui abordar tudo o que o livro nos oferece, esta é de facto uma história muito boa, Follett consegue ainda criar suspense ao longo da mesma de uma forma quase surrealista.
Depois de lermos "Os Pilares da Terra", ficamos com uma imensa nostalgia. Não só das personagens que desaparecem da nossa vida, como também por uma época passada que por algum tempo foi nossa, uma época que tinha tanto de violento como de fantástico.

5 comentários:

totoia disse...

Há uns anos encontrei numa feira do livro usados um livro do Ken Follett, Um lugar chamado liberdade, o livro fala da escravatura e passa-se na Inglaterra do séc XVIII. Foi um achado, li-o de um só folgo.

Sofia disse...

Parabéns, a opinião está excelente. Pelo o que tenho lido, esta obra só tem boas recomendações e por isso decidi agora lançar-me na sua leitura.

Iceman disse...

E fazes muito bem.

Enquanto romance histórico é muito bom.

Diverte-te!

Paulo costa disse...

Parabéns pelo blog
Quem leu este nao pode deixar de ler "um mundo sem fim" uma quase continuação dos "pilares da terra"
abraço e boas leituras

Paulo costa disse...

Já agora aconselho vivamente uma triologia de Robyn young " A Irmandade","A cruzada", e "Requiem "
Que Adorei
abraço