sábado, 19 de julho de 2008

Caçadores de Mamutes (Os) - Jean M. Auel


Em os "Caçadores de Mamutes", divido em dois volumes, voltamos a encontrar Ayla, agora já uma jovem e bela mulher com a capacidade de discernir o seu mundo e as diferenças que a separam daqueles que a criaram.

Neste terceiro volume, e não querendo entrar em detalhes, pois poderia estragar o prazer da descoberta e da surpresa, Ayla parte para a terra dos Mamutes, animais imponentes que eram a base da alimentação da altura.

Atravessando planícies sem fim, Ayla acaba por encontrar uma terra habitada pelos da sua espécie, no entanto ela própria sabe que também cada vez está mais longe da tribo que a criou e onde ela ainda tem motivos para amar...

Este terceiro volume, pese embora Auel continue o estilo e a forma narrativa assente, como já referi, em factos Geológicos e Históricos reais, perde imenso para os dois antecedentes.

Não vou aqui mencionar as principais razões porque considero essa perda, sobretudo porque iria cair em considerações sobre acontecimentos da própria história, mas há algo que está subjacente à própria extensão da obra, que é algum cansaço e saturação que se nota na escritora, assim como uma natural saturação do próprio leitor, pois repare-se: quando chegamos a este "Caçador de Mamutes", já levamos dois volumes lidos num total de cerca de 1.000 páginas. Sobre a época descrita, sobretudo sobre a coexistência entre o Homem de Neanderthal e o de Cro-Magnon já tudo foi praticamente dito em o "Clã do Urso das Cavernas" e o "Vale dos Cavalos" assim, este presente livro torna-se algo repetitivo nessas descrições, caindo assim também na repetição ao nível das situações, sobretudo quando Auel parece ter considerado o sexo como um escape ao argumento.

Pessoalmente gostei, mas não escondo que me decepcionou imenso. Vinha embalado com os outros dois e foi deveras frustante ver e sentir que a própria escritora estava mortinha para acabar com a história.

Obviamente que o livro tem a sua Qualidade. Lê-se bem e é curioso constatar a evolução de Ayla, mesmo a sua evolução no contacto com os da sua espécie, porém este fica muito aquém do esperado e exigível.

Mas existem algumas análises que se podem fazer, sobretudo no contexto social, nomeadamente ao nível do comportamento em grupo, podendo mesmo afirmar que este livro efectua uma curiosa análise aos primórdios dos comportamentos entre indivíduos.

2 comentários:

Sofia disse...

Olá Iceman,
Tal como referiste que aconteceria na tua anterior opinião (O Vale dos Cavalos), este volume é decepcionante e perde um pouco de ritmo em relação aos primeiros. No entanto, confesso que não deixo de considerar a leitura desta saga. Fiquei especialmente cativada e interessada nos dois primeiros após ler as tuas críticas.

Iceman disse...

Olá Sofia.

Sim, sem dúvida.

Este 3º volume fica aquém dos outros dois antecedentes, pese embora continue a ser um livro bem razoável.

Pior mesmo os volumes que vão findar a história (Planicies de Passagem), mas desses falarei daqui a uns dias.

Mas continuo a pensar que esta é uma excelente obra, globalmente.