terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Filha de Deus (A) - Lewis Perdue



Na capa deste livro pode ser: “O grande impulsionador do género que 10 anos mais tarde celebrizou Dan Brown”.

Ou seja, logo aqui, esta premissa lança-nos num género thriller/policial histórico, neste caso supostamente histórico pois a o assunto base do livro gira em volta de uma jovem mulher chamada Sophia que terá sido ou considerado como um 2º Messias e que a igreja, na altura, tratou de eliminar aquando do célebre concílio de Niceia.

Pois bem, foi mediante essa premissa que me lancei entusiasticamente na leitura deste livro e, após 172 páginas e 15 capítulos, posso afirmar que o mesmo se revelou uma tremenda desilusão.

Primeiro que tudo admito que estou um pouco cansado deste género de livros. Thrillers históricos onde um acaso qualquer dá origem a um mistérios histórico cheio de conspirações ao longo dos séculos, onde a igreja está metida nessas conspirações até ao tutano, é algo que, sinceramente, já me aborrece, pois geralmente cai-se nos mesmos clichés e lugares comuns. Porém este atraiu-me porque julguei de facto que no séc. III tivesse existido essa Sophia e não é que esse facto é tão só falso?

Ou seja, o meu principal interesse pela história logo se revelou falso, frágil, pois o autor pretende de facto construir um trama onde o foco gira em volta de várias questões: arte roubada pelos nazis que se interliga com um terrível segredo da igreja cristã, a suposta existência da tal Sophia.

Ao longo dos 15 capítulos que li, a acção pouco ou nada se desenrola.

Um professor, ex-polícia, que constata que a sua jovem mulher desaparece de uma forma muito estranha. Essa mulher, que era simplesmente uma avaliadora de arte que horas antes havia estado na casa de um velho nazi a avaliar obras de arte tidas como desaparecidas...

A partir daí o costume.

Perseguições, assassinatos, fugas e alguns factos históricos interessantes, mas já lidos em outras obras, que tentam dar à história um quê de realismo sem, na minha opinião, o conseguir.

O livro é fraco. O autor pouco desenvolve. Usa e abusa de clichés, acções e situações já lidas noutras obras.

Obviamente que até posso admitir que este livro foi o fundador deste género, mas a partir de certa altura começou a ser penoso continuar, um arrastar página a página, frase a frase. No último dia, numa viagem de comboio, li 10 páginas e, no final, não me recordava rigorosamente nada do que havia lido.

Assim, resolvi desistir.

Não leio por ler. Conforme tenho referido, leio porque me dá prazer saber a história e o desenvolvimento da mesma caso contrário considero uma perda de tempo insistir em algo que não me está a dar esse prazer.

Se for amante do género thrillwe histórico celebrizado pelo Código Da Vinci, então talvez vá gostar deste livro.

Dou-lhe pontuação mínima precisamente pelas razões assim descritas.

Classificação: 0 (Não Terminado)

7 comentários:

flicka disse...

Gostei ler o teu comentário. Já estive de olho neste livro e, felizmente, não o cheguei a comprar. Não sou muito do genero de "O código da Vinci" (foi o primeiro e o último tipo de livro que li).

Tita disse...

Eh lá...tenho este livro lá em casa, veio via sorte SdE e com o teu comentário, parece-me q não lhe vou pegar tão cedo =P

anaaaatchim! disse...

bolas... que grande balde de água fria! ...e eu que ainda o tenho por ler =(

Ainda assim, e apesar de não teres acabado de o ler (facto que até pode ter a ver com factores externos, que quer queiramos, quer não, influenciam sempre... afinal quantas vezes já lemos algo que depois acabamos por admitir que talvez não o tenhamos feito na melhor altura?), não posso deixar de discordar do zero que lhe atribuíste...

Como já disse no Cantinho do Bookoholic to Pedro, para mim zero é a obra que não foi escrita... se alguém se deu ao trabalho de escrever, e outro alguém de publicar, foi porque lhe reconheceu algum mérito, e no mínimo estarão ali imensas horas de trabalho e dedicação, que a meu ver nunca deverão ser catalogadas de forma tão desprestigiante como com um zero...

...agora, o que já estou farta, é de utilizarem Dan Brown como bandeira para vender qualquer coisa, que bem esmiúçada nem tem nada a ver.

Mónica disse...

:( tal como a Tita este livro veio de "oferta" numa encomenda à SdE. Ainda está para ler e, depois do que escreveste, não me parece que vá ler tão depressa.
Mesmo tendo sido "oferta" não deixo de ficar aborrecida porque afinal poderia ter escolhido outro livro na vez deste :(

Iceman disse...

Flicka: Eu admito que gostei do Codigo Da Vinci e que o mesmo me abriu as portas para outros conhecimentos Históricos que posteriormente explorei. Após esse livro, como sabemos, o mercado foi invadido por livros do mesmo género e, nessa onda acabei por ler alguns. Uns de uma forma consciente e outros ao engano.

Tita: Eu também adquiri este livro da mesma forma, oferta da SdE. Nota, eu no final refiro que se gostarem do género de Dan Brown, então provavelmente irão gostar ou apreciar o livro.

anaaatchim!: Balde de Água Fria? Não! Conforme refiro na opinião, este livro poderá agradar aos amantes do género que celebrizou Dan Brown. Se não aprecias o género, então de certo não vai gostar do livro.
Agora em relação à classificação, enfim, eu já o tenho referido em diversos locais que quando não gosto de um livro sou incapaz de o ler até ao fim, pois considero isso uma perda de tempo, logo e admitindo uma tabela de classificações, que será sempre subjectivo, teria que admitir classificar um livro em que tenha disistido, apontado, obviamente, razões para isso. Repara que dar um 0 não significa que o livro não preste (pior é dar 1), significa sim que não li o livro, apenas isso.
E já agora, não acredites que todas as obras são editadas têm mérito literário, o mundo não é cor-de-rosa e o editorial nem sequer é cinzento...

Mónica: Conforme referi à Tita, se gostas do estilo Browniano, então não perdes nada em ler o livro, provavelmente até vais gostar.

anaaaatchim! disse...

Iceman, realmente ainda bem que não gostamos todos do mesmo =)

Acabei ontem de ler este livro, e gostei bastante! Há algum tempo que não lía um livro tão depressa =)

Adoro tudo o que é deste género, por isso dificilmente não iria gostar deste...

Susana Teixeira disse...

A Sophia não existe mesmo?
:(
Conecei a ler este livro ontem, convencida de que a Sophia existe...
Sendo assim vou terminar a leitura também...
Etava a ler com o intuito de conhecer a história verídica dessa mulher, portanto vou ocupar o meu tempo de leitura com outro livro...:)