segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Paixão em Florença - Somerset Maugham


Mary Panton é uma jovem viuva que se encontra em Florença numa bela casa emprestada por uns amigos de modo a restabelecer-se da morte do marido e pensar no que havia de fazer com a sua vida.

À semelhança de tantas outras ocasiões, aceita o convite para jantar de uns amigos e é assim que se vê num restaurante rodeada de um grupo de pessoas, algumas delas algo curiosas.

Nesse período dá-se um acontecimento que se prolongará não apenas no regresso a casa de Mary, como durante toda a noite, acontecimento esse que servirá de argumento ao livro, originando um caso grave de violência que ameaçará destruir a amena vida de Mary.

Neste pequeno livro (li-o em duas horas), Maugham, uma vez mais, coloca a sua marca.

É uma obra onde, de uma forma intensa, sobressai as emoções humanas, aliás, Maugham é mestre em as explorar, confrontando-nos com opções a tomar, colocando-nos em várias encruzilhadas.

Maugham é brilhante, genial na forma simples como brinca com as palavras. As situações por ele criadas são intensas, agarram-nos à história e aos personagens, todos eles únicos, memoráveis. Isso é algo que sobressai da escrita de Maugham e que o faz ser um dos meus escritores favoritos. Maugham aparentemente trabalha pouco os personagens, não perde muito tempo a construir uma história, uma identidade do personagem X ou Y, no entanto é tal a intensidade, o carisma que concede aos seus personagens que, todos eles, irrompem das suas obras com uma força tal que se tornam memoráveis.

Mais uma pérola que o mestre Somerset Maugham nos deixou.


Classificação: 5

5 comentários:

Mariane disse...

Nunca ouvi falar sobre esse livro, mas já anotei a dica ;)

Uma excelente semana...

Abraços..

Iceman disse...

Boas Mariane.

Este livro é pequeníssimo mas é uma obra que já deu filme.

Uma boa semana tb para ti.

Cump.

Pedro disse...

Como sabes, li este livro há bem pouco tempo, e fiquei tão, mas tão impressionado, que dei-lhe sem pensar duas vezes 5 estrelas!

Já vi o trailer do filme e pelos vistos é BEM diferente O.O

A primeira coisa que o livro me deu foi uma tremenda inspiração ao transportar-me para a paisagem nostálgica, melancólica, de Toscana. Não foi estar lá (como aconteceu com Equador), mas foi viver um sentimento que tão bem emana das páginas. E isso fez-me identificar com essa emoção.

Cada personagem representa um ideal de vida. Fascinante como Maugham nos leva a reflectir sobre os nossos actos e a nossa maneira de ser! Foi um livro marcante de várias maneiras.

Iceman disse...

Olá Pedro!

Sim, eu recordo-me da tua opinião e a mesma influenciou-me quando me deparei com o livro no Alfarrabista.

Qualquer livro, qualquer personagem de Maugham é fascinante a apenas lamento que não seja dada relevância às suas obras literárias.

Pai disse...

Acabei de ler o livro, gostei tanto que vim à net saber se encontrava opiniões iguais.
Vejo que sim, eu também coloco este livro no meu top 5.
Mas vendo a sua lista de livros, verifico que falta um imperdível.
"100 anos de solidão" do Gabriel García Márquez.
É diferente sem dúvida, mas genial.
Parabéns pelo blog, gostei muito.
Boas leituras.