domingo, 5 de dezembro de 2010

Deuses e Legiões – Michael Curtis Ford


Embora não seja um grande fã do Império Romano, não posso deixar de admitir da imensa influência que o mesmo teve na civilização ocidental, sendo que, ainda hoje e após 1500 anos do fim do império no ocidente, é visível não só vestígios físicos como também uma herança cultural que legaram ao mundo e que proporcionou a evolução do pensamento moderno.

“Deuses e Legiões” conta a história de Juliano (Séc. IV), narrada pelo seu médico e amigo, Cesário.

Para alem da ascensão do imperador, o que torna este livro atraente é por descrever uma época importante sob dois aspectos: a ascensão do cristianismo que via ainda grande resistência nas velhas tradições pagãs e pelas questões políticas que estão por detrás, cerca de 100 anos depois, do declínio e término do império.

No que respeita à narrativa, penso que essa é a grande mais valia, sendo correcta nos factos e na descrição da época, porém o tom é monótono e ao contrário dos outros livros que já li de Curtis Ford, este tem pouca acção, as batalhas são esporádicas e dá pouca importância, quase no fim, das movimentações e razões de Constâncio aquando este pede a Juliano que lhe forneça tropas para combater os persas.

Ou seja, é um livro que se lê bem e que nos descreve muito bem o estado do império no séc. IV, assim como as alterações politicas e os jogos de interesses que estavam por detrás da ascensão e queda de tantos imperadores.

Porem, na minha óptica, falta acção e uma maior descrição no pormenor. Dada ser uma das épocas melhor documentada, o autor tinha a obrigação de ter investido mais nesse aspecto. Sem falar também em alguns factos que o autor refere mas que nunca foram
usados pelos romanos, foram sim criados pela industria de Hollywood.

Por ultimo nota negativa para a tradução que demonstra não ter estudado nem um pouco a época em questão, pois entre outros, traduz “Julian” para “Julião”. Nunca ouve qualquer imperador com esse nome, mas sim Juliano.

3 comentários:

Manuel Cardoso disse...

Eh eh eh em alguma coisa haviamos de discordar, Iceman :) Eu adoro a época romana :) Tenho um fascinío especial por esse povo que, ao conytrário do que nos ensinaram, preferia sempre a paz o bem-estar dos povos à guerra com que a historiografia antiga o identificava sempre.
Sou capaz de comprar esse livro e algo me diz que vou ter uma opinião diferente da tua. :)
Essa do imperador Julião não lembra ao diabo; isso não é erro, é asneira da grossa!

Iceman disse...

Viva Manuel!

Gosta da época romana? Então aconselho o livro que estou a ler actualmente: "O Fim do Império Romano" de Adrian Goldsworthy.

É um portento e explica de uma forma muito minuciosa e pormenorizada o porquê do do declínio do Império. Excelente!

Talvez tenhas, mas tenho duvidas.

:D

Manuel Cardoso disse...

Já anotei
um abraço