terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Anjos Morrem das Nossas Feridas (Os) – Yasmina Khadra

Um livro maravilhoso!

Cada livro que leio de Yasmina é, para mim, um bálsamo, uma bênção de puro deleite literário, um fascínio face à arte que é a sua escrita, um eterno gozo que me faz ler, saborear o livro muito devagar, pois eu não o leio, aprecio, degusto frase a frase, letra a letra, como, presentemente, não o faço com mais nenhum autor.

Neste seu mais recente romance, Yasmina situa, conforme aconteceu com os outros que li, na sua Argélia e a acção, inicia-se nos primeiros anos da década de 20 do século XX logo após o final da Grande Guerra. Logo aí, Yasmina aborda o tema dos antigos combatentes que, após regressarem das trincheiras, se depararam com um país que não lhes dá mérito pelo que passaram e, mais grave, pelos traumas que trazem e que os reduzem a sombras dos homens que antes foram.

No entanto, é o percurso obstinado de um jovem que marca toda a narrativa. Turambo, nome de guerra, criança com pai ausente, que se vê, á força dos seus punhos, envolvido no mundo do boxe que o catapulta para a fama e o que, de melhor e pior, daí advém.

No entanto Turambo, no alto das suas virtudes, é um ser humano com altos princípios morais e são esses princípios que estão por detrás da sua queda. É a sua história que, pela sua voz, que nos propomos a ler, e a viagem é belíssima.

E é impossível ficar-se impassível pela narrativa. Indepentemente das condições políticas, religiosas e raciais que Yasmina nos vai situando, na minha opinião, o que marca o livro são as fortíssimas frases que nos assaltam quase folha a folha. São imensas citações que poderia aqui colocar, frases reflectivas que mexem com o nosso ser, que nos fazem meditar na vida e no que aqui andamos a fazer.

Uma narrativa intensa, maravilhosamente trabalhada e que é, para já, a melhor deste ano.

2 comentários:

Manuel Cardoso disse...

Li apenasum livro de Yasmina Khadra e gostei muito. Já anotei esse.
A ler MST é que não me convences. Já tive a minha dose :)
Julia Navarro é uma escritora muito interessante. Também tenho de lá voltar porque só li um e também gostei bastante.

Iceman disse...

Ora viva Manuel!
Por acaso até aprecio a escrita de MST, só acho estranho é a sua baixa produção, mas enfim, são coisas minhas.
De Júlia Navarro apenas li este seu primeiro romance histórico. Honestamente não me cativa o género policial/thriller dos seus outros livros e dificilmente os vou ler. Sei que ela editou há cerca de um mês o seu último título, também ele com umas 1000 páginas, que deve estar em processo de tradução pela Bertrand. Vai ser um livro que vou querer adquirir.
Abraço!