terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Balanço Pessoal de 2013

Há muitos anos que não lia tão pouco livros como em 2013. Razões são várias, mas as principais foram porque, para além de ter lido livros com muitas páginas (pelo menos dez deles tinham mais de quinhentas páginas e cheguei a ler dois livros que excediam as mil páginas), confesso que foram muito os livros que deixei ainda antes de ter atingido as cem páginas, livros esses que, obviamente, não contabilizo.

Livros Lidos: 41
Páginas lidas: 16892   
Média diária (páginas): 46 
Média Livros mês: 3,4
Média Página/Livro: 412

Em todo o caso li alguns bons livros mas confesso que tive dificuldade em selecionar dez que merecessem constar num top, pelo que me decidi a fazer um top de apenas cinco livros, ei-lo:









O Mais Prazeroso: - "Os Anjos Morrem das NossasFeridas” e “Diz-me Quem Sou

Conforme referi no início da minha opinião do “Os Anjos Morrem das Nossas Feridas”, é sempre um bálsamo, uma bênção de puro deleite literário os livros de Yasmina. Descobri este autor em 2012 e, desde essa altura, já li vários dos seus títulos e há outros ainda por ler. É sempre uma alegria voltar a esse autor e foi o que sucedeu com este título que, considero, a melhor leitura de 2013.

“Diz-me Quem Sou” foi o primeiro romance histórico de Júlia Navarro e também o primeiro título que li desta autora. Fiquei muito surpreendido pela qualidade da sua escrita e pelo trama desenvolvido. Pese embora não seja uma obra extraordinária, li as suas mais de mil páginas num ápice e fiquei deveras agradado com as histórias que a autora me foi dando.

  
Mais Divertido: - "Cordeiro, Evangelho de Biff"

Este é um livro algo apatetado mas que, aqui e ali, vai falando sério. A premissa é a infância de Jesus Cristo e a sua vida é-nos narrada pelo suposto melhor amigo de Jesus, Biff, e a narrativa tem períodos de paródia que, de facto, nos leva às lágrimas de tanto rir. Num tom hilariante, o autor traça-nos os primeiros anos de Jesus e os milagres que já fazia, no entanto cai muitas vezes num absurdo algo aborrecido, mas que não deslustra toda a narrativa.




Trabalho a Ler: -  "Segunda Guerra Mundial"

Este foi um livro que me demorou cerca de três meses a ler. Martin Gilbert faz um trabalho notável, traçando-nos passo-a-passo e de uma forma muito minuciosa, a guerra desde o seu início até ao seu epílogo e os anos consequentes. Foi também um livro cansativo face às imensas descrições de atrocidades cometidas por todos os lados. Muitas vezes parei porque não tinha estomago para continuar e vivi dias, acreditem, atormentado por tanta bestialidade humana.

  


Decepção: - "Grandes Esperanças"

Já li muitas obras de Charles Dickens e confesso a minha imensa admiração pelo autor e pelas suas obras. No entanto “Grandes Esperanças” revelou-se um tormento, sobretudo a segunda parte, tal o aborrecimento que me foi provocando. Pessoalmente este é o livro mais desinteressante de Dickens e aquele, que de certeza, jamais vou voltar.



Não consegui acabar: -  "O Hobbit" de Tolkien

Foram muitos os livros que iniciei e que nem à página cem consegui chegar, no entanto tentei, juro que tentei com todas as minhas forças ler o Hobbit de Tolkien, até porque o queria colocar no desafio Book Bingo, mas, debalde, não consegui nem consigo ler fantasia. Tinha jurado a mim mesmo nunca mais ler qualquer livro de fantasia e, uma vez mais, vi que não vale a pena, pois não consigo inserir-me naqueles universos e o enfado é tão grande que sou capaz de ler dez páginas sem me lembrar sequer do parágrafo anterior. Respeito quem elege a fantasia como o seu género preferido, mas eu não consigo achar o mínimo interesse.




O Pior: "O Fenómeno Ovni - Factos, Fantasia e Desinformação"

Já li muita literatura sobre ovnis e seres extraterrestres a ponto de eu próprio ter uma tese sobre a hipotética vida, inteligente, fora do planeta Terra. Este foi apenas mais um. Cheio de histórias conhecidas, com as habituais fotos difusas, foi um livro sem chama e que não trouxe rigorosamente nada de novo a este fenómeno. Aliás, é uma espécie de livro que mais parece um conjunto de artigos tirados da internet e ali colocados.

  

A Revelação:

Para mim, Júlia Navarro. Nunca tinha lido nada dela e gostei bastante do estilo em “Diz-me Quem Sou”. Fico a aguardar o novo romance histórico que já saiu em Espanha e que aqui deve estar por dias.


Um Bom Ano a todos!


6 comentários:

Paula disse...

Olá Iceman :)
Do teu top só li "Rio de Flores", mas tenho "Diz-me quem sou" por ler... vou pegar nele (é que também ajuda a "trabalhar" a firmeza dos braços dado o volume :P !! Incomoda (confesso que iniciei a leitura, mas depois desisti, porque era impossível transportar o livro dentro da mala :P). E como não podia deixar de ser, também tenho Yasminha para ler ^_^

Este ano, para mim, também foi fraco a nível de leituras e também tive alguma dificuldade em fazer o top 10. Descobri a escrita de Jonathan Coe, li dois livros dele, o 3º curiosamente deixei a meio :P

Foi também um ano de poucas compras no que respeita a livros... poucos me interessaram e cortei com as parcerias.

Não sei se em 2014 vou ler muito mais, acho que entrei na fase de ler nas calmas e de não stressar com o blogue :P

Um abraço e tudo de bom para ti!

Iceman disse...

É algo que eu este ano pensei: ligar pouco ao blog, apenas aqui escrever quando me apetecer.

Obrigado e um bom ano!

tonsdeazul disse...

Do teu top, apenas li o "Rio das Flores", que foi um livro que não me entusiasmou muito. Talvez porque tinha as expectativas em alta...
Depois de ler a tua opinião, fiquei com curiosidade em ler "O Cerco de Leninegrado".
Júlia Navarro parece-me também uma boa aposta para 2014. :)
Boas leituras e um ano excelente!

Iceman disse...

Olá tonsdeazul.
O Cerco de Leninegrado é um excelente livro, mas é pesado, sobretudo pelas descrições que não são fáceis de ler e imaginar que pudesse ter acontecido. No entanto, o mais desagradável é sabermos que o que estamos a ler, vai SUCEDER de novo, pois o Ser Humano tem uma característica: não aprende com a História.

Cristina Torrão disse...

Também não aprecio obras de fantasia. Nunca li o Tolkien, mas os filmes sobre "O Senhor dos Anéis", por mais incrível que pareça, provocam-me a sensação que te provocou o Hobbit: enfado, tédio.
Tenho o mesmo problema com os filmes do Harry Potter. Isto não quer dizer que não admire estes dois escritores pelas obras que criaram.

folhasdepapel disse...

Que interessante resumo das leituras de 2013!

Eu não li tanto quanto gostaria, mas o tempo revelou-se curto para o objectivo que detalhei. No entanto, usufruí muito de cada livro que li e penso que a qualidade de leitura, nomeadamente nos géneros escolhidos, se elevou bastante de 2012 para 2013.

Também deixei livros a meio que, embora não contabilize, comecei a marcar no Goodreads como 'unfinished'. Não serve de muito, excepto para encontrar algum padrão de 'não-leitura'.

Obrigada pelo comentário há pouco no meu post sobre blogs / bloggers. Sou uma leitura frequente do teu blog, embora muitas vezes silenciosa.

Boas leituras!