sábado, 11 de julho de 2015

Uma mera opinião de alguém

que os próprios britânicos não levam a sério, está a levantar uma onda de indignação de mui dos nossos ilustres chefs, alguns deles com não-sei-quantas estrelas Michellin.

Estou-me a referir à opinião do crítico de restaurantes Giles Coren (eu que adoro cozinha nunca tinha ouvido falar de tal criatura, mas, adiante) que visitou a Taberna do Mercado em Londres e posteriormente escreveu uma review onde bate forte e feio.

O grande problema é que cada vez mais as pessoas têm imensa dificuldade para lidar com criticas que não sejam aquelas que elas querem que seja.

Eu questiono: que mal tem o homem não tem gostado da comida e achar que a cozinha portuguesa é a pior do mundo?

Por acaso eu acho que a cozinha portuguesa é boa mas está longe de ser a melhor do mundo. De facto temos um peixe e um marisco excepcional, mas de resto, há melhor, muito melhor e com mais criatividade em vários pontos do planeta.

Eu sou daqueles que convivem bem com criticas negativas. Não gosta, não come. Paciência!

Por exemplo, um dia em Évora fui almoçar a um restaurante e pedi o bem tradicional arroz de pato. Aquilo estava um nojo. Devolvi o prato e não aceitei novo e disse alto e bom som: “se um turista aqui vem e pede isto vai pensar que “bela porcaria é arroz de pato”. É um exemplo. Eu também não sou apreciador da comida alentejana e acho que em Évora se come mal em todos os restaurantes. É uma opinião.

Não gosto de franchesinhas. Acho aquilo desanxabido e nada de especial, apenas uma tosta gratinada com alguns ingredientes e um molho a saber a cerveja. Mas adoro tripas à moda do Porto. Adoro sardinhas grelhadas e não aprecio salmão. Mas respeito que tenha gostos em contrário.

O que o Coren disse vale o que vale. Para mim não vale rigorosamente nada e só tem importância quando lha dão. 

Meus caros chefs portugueses e demais apreciadores da cozinha portuguesa. Borrifem-se nesse gajo e deixem-no a ladrar sozinho. Se calhar o homem é daqueles que adora empadas com couve cozida, ou o feijão com ovos estrelados e salsichas ou então as panquecas de batata com salsichas de porco. Eu por acaso nem aprecio, para além do gosto pouco refinado, dá-me propensão a gases.

3 comentários:

Cristina Torrão disse...

Excelente texto, Iceman! Parabéns :)
De facto, os portugueses têm tanto horror a causar má impressão (o que denota complexo de inferioridade), que entram em pânico, quando alguém diz mal da nossa comida, do nosso país, do nosso povo...
Que diabo! Nós também não dizemos mal de tanta coisa de outros países?
É isso mesmo: uma opinião vale o que vale! Ponto final!

Iceman disse...

Exactamente Cristina.

Os portugueses vivem muito de aparências e isso no Alentejo então é de bradar aos céus, nunca tinha visto mentalidade tão retrógrada como vejo aqui em Évora e são todos, desde as crianças aos idosos. Em todo o caso penso que isso é um mal nacional, sobretudo porque parece ser proibido dizer que não se gosta.

Por exemplo, eu estou farto de dizer que Évora anda a enganar os turistas. Como? Vive sob o manto de Património Mundial e depois só tem uns 3 monumentos para visitar, os restantes estão fechados ao público. Os restaurantes são péssimos e as pessoas... enfim, cala-te boca. Mas quando afirmo isto aqui, ui, é mentira, embora ninguém me saiba dizer mais do que esses três monumentos, nem nenhum restaurante bom.

E podia dizer muito mais de outros locais e da nossa gastronomia.

Repito, é boa? É sim. Mas pelo que vejo em programas de televisão, há outras gastronomias mais ricas, saborosas e criativas.

Mas é a minha mera opinião. Quem não concorda, paciência.

Paula disse...

Concordo!