domingo, 1 de maio de 2011

Expiação – Ian McEwan


1935, Briony Tallis, de 13 anos, é uma menina com uma imaginação muito fértil cuja maior ambição é ser escritora. Vivendo no campo, Briony faz dos seus contos o seu mundo, construindo várias realidades que se confundem com a própria realidade.

No dia mais quente naquele verão, Briony assiste da janela do seu quarto a uma aparente discussão entre a sua irmã Cecília e Robbie Turner, amigo de infância e regressado há pouco tempo de Cambridge.

A sua fértil imaginação leva-a a ver naquela cena algo que pouco se assemelha à realidade, constituindo isso um factor que irá influenciar para sempre a vida de todos, não só de Robbie e Cecília, como de toda a família.

Expiação é considerada a obra-prima de Ian McEwan, autor britânico considerado hoje em dia como um dos melhores escritores.

Pessoalmente foi a primeira obra que li de McEwan e não posso dizer que me tenha agradado por aí além, embora, e mentiria se afirmasse o contrário, considero a sua escrita muito apelativa, melodiosa e extremamente ternurenta.

No entanto dou sempre mais valor à história e, honestamente, não achei a história tão bela como muitos a pintam e muito menos achei violento os acontecimentos narrados em relação á 2ª Guerra Mundial.

A literatura universal está cheia de livros sobre vários acontecimentos bélicos, sendo a 2ª Guerra, talvez, o acontecimento que melhor está documentado. Pessoalmente já li outros livros muito mais violentos e creio que este “Expiação”nada vem acrescentar.

É um livro que se lê bem, mas que está longe de ser um grande livro. A história é até um pouco banal, chegando mesmo a cair na monotonia, pois não raras vezes os acontecimentos narrados levam a coisa alguma.

Gostei da escrita de Ian McEwan, mas não o considero um escritor de top, sobretudo porque jamais me agarrou, oferecendo-se sim longos períodos de aborrecimento.

2 comentários:

Pipas disse...

Eu também tenho a mesma opinião sobre esse livro, foi dos maiores "flops" literários que tive, ouvi dizer "mundos e fundos" dele e afinal é só mais um, e muito lamechas ainda por cima.
Por ironia o que realmente salva o livro é mesmo a II Guerra Mundial.
Deixo o link para a minha review deste livro no meu blog.
Pipas

http://oqueeuleio.blogspot.com/2008/12/expiao-ian-mcewan.html

Ana disse...

Não sou da mesma opinião.
Acho que Expiação não pretende falar da 2ª Guerra Mundial, serve-se dela apenas como cenário, daí que não haja a "violência" de que fala e por isso nada venha a acrescentar.

Expiação tem muito de arrependimento e, para mim, essa é a singularidade da obra. É certo que a história de amor é banal. Todavia, não é a história de amor que dá alma a este livro, mas sim Briony e a sua busca pelo perdão, e é por isso que acho que o fim do livro o torna brilhante.