domingo, 4 de novembro de 2012

Mão do Diabo (A) – José Rodrigues dos Santos



Já o referi por diversas vezes que li todos os romances de José Rodrigues dos Santos e que, a sua maioria, me agradou.

Independentemente da qualidade literária dos seus livros, isso é outra história, o certo é que o homem vende que se farta, vende mais do que qualquer outro autor português e inclusive é já nº 1 no Top da Fnac em França, logo a questão que se coloca é: porquê?

Será que os seus livros são assim tão bons ao ponto de baterem as obras dos maiores vultos literários da actualidade?

Será que os milhares de leitores que adquirem os seus livros são assim tão iletrados que só gostam de maus livros ou só adquirem um livro por ano, precisamente o dele?

Ou será que o autor sabe aproveitar o “momento” e, com uma receita tipo, consegue escrever livros onde toca em assuntos melindrosos que interessam ao comum dos mortais?

Mesmo que a resposta não esteja numa destas três questões, o certo é que aprecio os seus livros, pese embora não lhe observar qualquer qualidade literária, aliás, há algo que registo desde logo, os seus livros conseguem, a esse nível, piorar de livro para livro.

Eu aprecio porquê?

Simplesmente porque, quer os da série “Noronha”, quer os outros, têm a capacidade de me informar, de me transmitir informações reais misturadas com uma história de cordel mas que, resulta quer se queira, quer não. Quanto a mim é aí que reside o principal interesse dos livros. Há outro interesse, mas esse guardo-o para mim pois é algo que me entretenho a analisar.

Nesta sua última obra, “A Mão de Deus”, JRS volta ao seu alter-ego, Tomás Noronha, numa nova aventura em busca da verdade. E a receita é a mesmíssima das outras aventuras: um vilão que é uma alta figura da sociedade, os seus jagunços que passam o livro a correr atrás de Tomás, uma moçoila jeitosa que acompanha Tomás na aventura (e não só…) e, obviamente, as habituais situações complicadas que o nosso herói se consegue sempre safar com as habituais piadolas com pouca piada.

Claro que muitos acham este típico trama algo de irritante e muito rebuscado, tipo Dan Brown, o que de facto é, no entanto a principal diferença e aquela que me faz continuar a ler os livros de JRS é que enquanto em Dan Brown as teorias são pura especulação e ficção, nos livros de JRS é precisamente o contrário: tudo é real e, se duvidam, constatem das acusações que lhe vão fazendo quando os livros dele saem e vejam se depois, quem acusa, apresenta provas. Não, acabam por se calar.

Tomás Noronha vê-se assim no meio de mais um imbróglio e, desta vez a braços com a descoberta de um objecto que poderá expor ao mundo os meandros da alta política e os principais obreiros da crise mundial que actualmente sentimos, sobretudo na Europa.

E é dessa forma que o autor vai expondo as diversas facetas de uma crise construída com reais objectivos e que tem a sua explicação em diversos factores com pontos de união entre si.

Chegamos a conclusões terríveis assim como é espantoso perceber como se fazem certos negócios que visam comprar submarinos desnecessários, TGV’s que vão servir para nada e Aeroportos que apenas procuram encher os bolsos de alguns em prejuízo dos contribuinte. Uma teia gigantesca de corrupção com rostos bem conhecidos do presente e do passado, pois que ninguém se iluda, a crise não nasceu ontem, vem sendo criada e alimentada à muitos anos e com os resultados pretendidos.

E é aqui que reside o principal interesse desta obra. Se pretende continuar a seguir as vertiginosas aventuras dos gnomos, bruxas e afins mitológicos ou se busca um livro muito bem escrito que o delicie com as suas descrições literárias, então nem pegue neste. Agora, se se interessa pelo presente, se tem curiosidade em saber como a crise nasceu, quem e porquê a criou e para que se destina, então avance sem medos, pois de certo ficará melhor informado do que a grande maioria das pessoa e sentirá, pelo menos, algum receio pelo futuro que nos espera, isso se não emigrar para bem longe.

6 comentários:

WhiteLady3 disse...

Até agora só li o Códex 632 mas é exactamente isso que dizes, informação algo credível, que procuro nos livros dele. Daí que só o Códex e este me tenham suscitado mais curiosidade (os outros temas sobre os quais tem escrito não me suscitam tanto a atenção) na série dedicada a Tomás Noronha, já que os seus romances históricos parecem melhor conseguidos pelo que vou lendo ou me vão dizendo quem já os leu.

Iceman disse...

Olá White!
Quanto a mim o Codex é o melhor livro da série, sobretudo porque aborda uma temática e uma época que me fascinam e porque, enquanto primeiro, se fecha os olhos à ingenuidade do autor e do personagem.
Eu confesso que, até agora, as temáticas dos livros de JRS sempre me atrairam e sempre saí dos livros melhor informado e com uma outra perspectiva.
Em relação aos romances históricos, o mesmo, pese embora tenha adora a "Filha do Capitão" que, quanto a mim, é um dos grandes livros da literatura portuguesa. Os restantes gostei, mas nunca chegaram à qualidade da "Filha do Capitão".

tonsdeazul disse...

Li as primeiras seis obras do autor e gostei, principalmente por ter sempre essa veracidades dos factos. Muito embora tenha preferido os romances em que não entram o personagem Tomás Noronha.
Por me ter cansado do personagem é que deixei de ler as restantes obras(até confessei ao JRS, quando tive com ele na feira do livro em Lisboa).
Agora o tema atual deste "Mão do Diabo", está a suscitar-me bastante curiosidade e por isso já o pedi a uma amiga para mo emprestar.

Iceman disse...

Olá tonsdeazul.
Sim, concordo que o personagem de Tomás já aborrece, mas nota que enquanto alter-ego, o autor não a pode matar, pelo que, ou muito me engano, ou ainda vão surgir mais livros com o personagem.
Em todo o caso entendes o que quero dizer com "informação" e é isso a mais valia dos seus livros.
Aconselho então a leitura da presente obra, vais lá encontrar muita e boa informação de forma a entender os porquês e motivações de uma crise pensada, articulada e desenvolvida a dar o que está a dar.

Pedro disse...

Eu ainda não li, e posso estar a ser um pouco céptico, mas... Como posso eu acreditar que um professor catedrático com a experiência de Tomas Noronha (e que experiência) acaba no desemprego? Eu sei que as coisas não vão boas, mas como será possível uma personagem como esta ter de recorrer ao subsidio de desemprego? Ainda não sei quais as circunstancias que o levaram a isso claro, posso estar a ser demasiado precipitado... Ou talvez não tenha bem a noção da dimensão da crise. Mas são estas coisas que me irritam profundamente em Tomas Noronha. Apesar do seu historial, JRS insiste em apresenta-lo como uma pessoa ridiculamente vulgar, por vezes ignorante.

De qualquer forma, e uma questão de tempo ate pegar num livro dele, que afinal também gosto bastante de ler. Entretêm, como dizes vão cativando pelas informações que apresenta e acho que não deixa de estar bem escrito, o suficiente para não nos aborrecer verdadeiramente. "A Mao do Diabo" não será excepção!

Iceman disse...

Grande amigo Pedro!
Bom, em relação ao Noronha, enfim, ambos sabemos que o tipo é um cromo e este romance não é excepção.
Mas, enfim, o certo é que o homem cai mesmo no desemprego devido aos cortes da faculdade obrigar a dispensar todos os professores que estejam a contrato. Como ele está, tunga, lá vai ele para o Centro de Emprego. No entanto é apenas uma forma de JRS tar o pontapé de saída sobre o tema, pois, ao longo da história, esse pormenor pouco ou nada é referido.
Mas pronto.
Agora em relação ao presente livro, gostei pelas razões que aponto e será sempre por essas razões que continuarei a ler os seus livros, porque em relação à qualidade literária... estamos conversados.
Abraço!